Conheça o artista por trás da capa de “Manual”, do Boogarins

24/02/2016

Powered by WP Bannerize

Daniele Rodrigues

Por: Daniele Rodrigues

Fotos: Reprodução

24/02/2016

Você tem memória boa? Lembra do que comeu ontem? Lembra que horas chegou no trabalho ou quais músicas tocaram no seu Spotify? Ou uma mais fácil: lembra da reação que teve quando o Boogarins liberou a capa do último álbum em agosto do ano passado?

Não sabemos vocês, mas a gente ficou muito atônito com o que viu. Piramos nas artes do Nei Caetano, começamos a segui-lo no Insta e finalmente chamamos ele para um bate-papo pra entender como foi o trampo dele na capa do Manual ou Guia de Dissolução dos Sonhos. Para quem não conhece, o Nei é um cara muito gente fina que trabalha com publicidade e mora na Califórnia. Não exatamente nas horas vagas, ele é o @marginalink. É nesse perfil onde ele publica a maioria dos trabalhos artísticos que faz, muitas vezes, em parceria com o seu filho.

Algumas das obras de Nei publicadas em seu perfil no Instagram:

Coincidentemente, o artista brasileiro tem uma trajetória super voltada para o mundo musical. Ele iniciou a carreira em meados dos anos 90 fazendo zines digitais e conseguiu seu primeiro estágio apresentando um portfólio cheio de capinhas de fitas de k7. Além disso, também tem um projeto de fotografia chamado General Admission em que, há mais de 15 anos, faz um registro imagético de diversas bandas (o projeto carece de links basicamente porque tem uma pegada mais analógica, mas saiu um zine no fim do ano passado). Não bastasse tudo isso, o cara também foi a cabeça e as mãos por trás da capa de álbuns de bandas como Garage Fuzz e Vallejo Sunset.

Capa de EP do Garage Fuzz feita por Nei Caetano.

Capa de EP do Garage Fuzz feita por Nei Caetano.

“O mais louco disso é que eu sempre pirei em fazer essas paradas. Eu vou em muitos shows, mas foi só quando eu desencanei, quando comecei a fazer as coisas mais espontaneamente, foi que começou a rolar essas oportunidades”, lembra o artista.

A capa do Boogarins foi uma das obras que Nei Caetano fez com seu filho pequeno. “Desde que o meu filho nasceu a gente desenha junto. A gente desenha no parque e lá tem muita madeira, aí a gente desenha na madeira. Eu gosto do traço dele, que é solto, e hoje eu uso um pouco da técnica dele nos meus desenhos quando ele não participa”, conta.

Até aí legal, mas você deve estar se perguntando como um trabalho feito pelo Nei e seu filho chegou até o Boogarins ou como o Boogarins conheceu o trampo do Nei. Quem explica isso é o Benke Ferraz, guitarrista da banda goiana: “Nei é o ‘amigo brasileiro’ do Gordon Zacharias, nosso manager. Gordon me mostrou algo do trabalho dele alguma vez e comecei a segui-lo no Instagram.”

Bem simples, né? Há boatos de que, com o advento da internet, aquela teoria dos seis graus será reduzida para apenas três. Mas não pense que nós fomos os únicos a criar uma certa obsessão pelos desenhos neo-expressionistas do Nei que remetem as artes do Basquiat e Georg Baselitz. Segundo Benke, a escolha pela arte da capa foi quase um amor à primeira vista: “O desenho de Nei apareceu na minha timeline algum dia, era uma foto de um caderninho de rascunho, e eu tive meio que certeza de que aquela seria a capa. Tentamos trabalhar por mais algumas semanas em algo feito especialmente para o álbum, mas aquele rascunho já havia se firmado na minha cabeça”.

O guitarrista do Boogarins também comentou que o conceito inicial era em torno de uma capa branca, algo mais próximo do que pode ser chamado de obra aberta para que o público pudesse rechear com seus próprios significados. No entanto, não podemos negar que a escolha final contribuiu e muito para a construção da imagem de banda brasileira mais gringa da atualidade. Por falar nisso, no início de março o Boogarins volta a fazer shows internacionais, alguns ao lado da banda Dungen (veja abaixo).

A lista de shows da banda marcados no Brasil, nos Estados Unidos e no Canadá:

4/3 – Salvador – BA @ Portela Café
5/3 – Fortaleza – CE @ Órbita Bar
6/3 – João Pessoa – PB @ Vila do Porto
10/3 – Curitiba – PR @ Jokers Pub
11/3 – Florianópolis – SC @ Célula Showcase
13/3 – Belo Horizonte – MG @ A Autêntica
19/3 – Goiânia – GO @ Centro Cultural Martim Cererê
23/3 – Manaus – AM @ Teatro Direcional
25/3 – Rio de Janeiro – RJ @ Oi Futuro Ipanema
26/3 – Rio de Janeiro – RJ @ Oi Futuro Ipanema
19/4 – New Haven, CT – Cafe Nine
21/4 – Cambridge, MA – Middle East (Upstairs)
22/4 – Brooklyn, NY – Baby’s All Right
23/4 – Philadelphia, PA – Boot & Saddle
24/4 – Washington, DC – DC9
25/4 – Carrboro, NC – Cat’s Cradle – Back Room
26/4 – Atlanta, GA – The Earl
27/4 – New Orleans, LA – Gasa Gasa
28/4 – Houston, TX – Rudyard’s
29/4 – Austin, TX – Levitation
1/5 – Phoenix, AZ – Valley Bar *
3/5 – San Diego, CA – The Casbah *
5/5 – Los Angeles, CA – The Echoplex *
6/5 – San Francisco, CA – Great American Music Hall *
9/5 – Portland, OR – Mississippi Studios *
10/5 – Seattle, WA – The Crocodile *
13/5 – Minneapolis, MN – Triple Rock Social Club *
14/5 – Madison, WI – High Noon Saloon *
15/5 – Chicago, IL – The Empty Bottle *
16/5 – Detroit, MI – UFO Factory *
17/5 – Toronto, ON – Silver Dollar Room
* com Dungen

Tags:, , , , , , ,

24/02/2016

Daniele Rodrigues

Daniele Rodrigues