De onde veio “Japan Pop Show” | 5 inspirações de Curumin

26/06/2015

Powered by WP Bannerize

Ariel Fagundes

Por: Ariel Fagundes

Fotos: Reprodução

26/06/2015

O mundo era outro em 2008, quando Curumin produziu uma das obras mais importantes de sua carreira, o Japan Pop Show. As possibilidades de conexão global da internet ainda estavam sendo assimiladas pelo músico, que usou seu computador como uma ferramenta central para o álbum. Se não fosse assim, como ele teria conseguido reunir no mesmo projeto Marku Ribas, BNegão, Lucas Santtana, Fernando Catatau e os americanos Tommy Guerrero, Lateef The Truthspeaker e Gift Of Gab?

– Fiz o disco nuns 3 meses, foi gravado uma parte aqui em casa, outra na casa do [produtor Gustavo] Lenza e outra no estúdio “du B”. Depois, demorou um pouco mais até esperar o material dos convidados chegar. Eu já conhecia eles, mas cada um gravou no seu estúdio e mandou pela internet – explicou Curumin.

*

Lançado em vinil amarelo pelo NOIZE Record Club (garanta o seu), Japan Pop Show saiu originalmente em CD. Mas um certo tom profético já rondava o disco desde 2008:

– Quando gravei o disco, separei em lado A e lado B, mas foi engraçado porque eu realmente não cogitava lançá-lo em vinil. Isso era impensável na época. Mas agora, quando tive que dividi-lo pra essa edição do NOIZE Record Club, vi que o disco naturalmente tinha ficado com um lado A e um lado B. Um lado mais pop e outro mais experimental, na ordem perfeita. Quase como um roteiro, uma história.

Como toda história tem um começo, perguntamos pro Curumin quais foras as 5 principais inspirações que o marcaram na composição do Japan Pop Show. Veja abaixo:

BRIC-II-CENTRO-SAO-PAOLO-2008

1) Centro de Sampa: “Era uma época em que eu morava no centrão de São Paulo e isso foi bastante influente no disco”.

2) Madlib: “Conheci ele nessas buscas de som. Lembro muito de ouvir Shades Of Blue (2003), quando conheci o Beat Konducta (2001) fiquei bem fã e fui atrás de todo o resto. Sempre gostei de tudo que ele faz”.

3) MP3: “Era a época do MP3, então foi um boom de música na minha vida. Deu pra se aprofundar como nunca no soul, no funk do mundo todo, no reggae e na música brasileira. Coisas mais obscuras e difíceis de achar pouco tempo atrás estavam facilmente disponíveis”.

4) Corrupção: “Aquela era também a época do Mensalão, o Brasil tava naquela confusão: mentiras, lobistas, aproveitadores, laranjas. Naquela época e sempre né”.

5) Dub, mais especificamente Scientist: “A própria faixa ‘Japan Pop Show’ tem um pouco disso, mas, em 2008, o dub era uma coisa muito nova pra mim. Então não aparece tanto no disco, o que tem nele é como se fosse uma tentativa de entender o que é o dub”.

Atenção: está no fim a tiragem em vinil amarelo de 140g do Japan Pop Show. Garanta o seu antes que seja tarde e não perca os próximos lançamentos do NOIZE Record Club: noize.com.br/recordclub

Tags:, , , , , , , , , , ,

26/06/2015

Jornalismo, música, astrologia, fotografia, vinil, tarot, direitos humanos, mitologias, fogueiras e a arte do bem-viver me interessam.
Ariel Fagundes

Ariel Fagundes