“Tocar em festivais é o grande barato”, diz Sergio Dias prestes a tocar no Morrostock

29/11/2017

Powered by WP Bannerize

Ariel Fagundes

Por: Ariel Fagundes

Fotos: Al Pereira/Reprodução

29/11/2017

Entre os dias 1 e 3/12, irá se abrir mais uma vez uma dimensão paralela de música, diversão e contato com a natureza chamada Morrostock. O festival reúne no lineup dessa edição bandas como Boogarins, Francisco, El Hombre, Selvagens a Procura de Lei, Dingo Bells, Musa Híbrida, Estrela Leminski e Téo Ruiz, My Magical Glowing Lens e Joe Silhueta, mas o grande headliner será a lendária Os Mutantes, capitaneada por Sergio Dias.

Em uma rápida conversa por telefone, guitarrista que fundou a banda com seu irmão Arnaldo Baptista e Rita Lee em meados dos anos 1960 conta que não poderia estar mais feliz por tocar no evento:

*

– Sei que as pessoas que estarão lá só pra curtir mesmo, se divertir e gerar coisas boas e positivas. Isso me faz muito feilz e me faz muito bem. Tocar em festivais assim é realmente o grande barato. Por exemplo, acabei de tocar num festival em Los Angeles e era muito bom, muito bem feito, muito organizado, o lugar era lindo, mas faltava essa vibe. Hoje, eu recebi a foto da montagem do palco do Morrostock e, puxa, que barato… Cheio de verde em volta… Vai ser uma coisa muito boa – promete.

Após alguns anos sem lançamentos, Os Mutantes lançaram há pouco “Black and Grey”, sua primeira música inédita desde “Esos Ojos Verdes”, single lançado em 2015, encaminhando o novo disco da banda, que sairá em 2018, conforme promete Sergio. Ele diz ainda que boa parte do álbum já foi gravada ao vivo em um estúdio em Los Angeles e que o resultado é “bem diferente” dos anteriores Haih or Amortecedor (2009) e Fool Metal Jack (2013). “As músicas estão diferentes, mas não sei como explicar. É difícil você descrever música, né? Mas é um momento diferente e a gente reflete o que estamos vivendo”.

Uma das principais diferenças com certeza está ligada à entrada de Carly Bryant, artista inglesa que já começou assumindo os vocais da banda e tocando teclado, guitarra e baixo. Em entrevista exclusiva à NOIZE, Carly conta como foi surreal a entrada dela na banda:

– É uma história engraçada como eu entrei na banda… Eu era uma grande fã e vi que eles estavam em turnê pela Europa em 2015, na época eu morava em Paris. Aí fiz um vídeo cantando “Balada do Louco” no meu iPhone e postei no Facebook deles. Poucos minutos depois, eu vi que o Arnaldo [Baptista] tinha repostado na página dele dizendo “sangue novo”!” e então eu recebi uma mensagem privada do Sergio me dando os parabéns. Nós começamos a trocar mensagens, mostrei a ele meus discos e ele gostou muito e me convidou para cantar com eles no show de Paris. Foi como um sonho e eu achei que esse seria o fim da história, mas nós seguimos trocando mensagens, compartilhando ideias e falando das bandas que gostamos e achamos muitos pontos em comum. E aí ele me perguntou se eu queria fazer um disco com ele em Las Vegas e eu disse que sim! Tenho trabalho no novo disco d’Os Mutantes com o Sergio e está quase pronto.

Além desse álbum, Carly e Sergio fizeram outro, que é um disco solo de Sergio com ela chamado Colour. Esse disco, Sergio explica, já está pronto e será lançado no dia 2 de fevereiro (pré-venda aqui). “Gravar o Colour foi natural como beber água. Desde o primeiro dia, tudo pareceu tão certo e as músicas só fluíram. Escrevemos e gravamos 12 músicas em quatro semanas e foi depois disso que o Sergio me convidou pra fazer o disco d’Os Mutantes”.

Carly estará ao lado de Sergio à frente do show d’Os Mutantes no Morrostock e a NOIZE estará lá cobrindo de perto tudo isso. Abaixo, veja a apresentação que marcou o início dessa parceria:

Tags:, , , , , , , , , , , , , , , ,

29/11/2017

Jornalismo, música, astrologia, fotografia, vinil, tarot, direitos humanos, mitologias, fogueiras e a arte do bem-viver me interessam.
Ariel Fagundes

Ariel Fagundes