Exclusivo | Gorduratrans solta o teaser da versão visual do disco “Paroxismos”

27/07/2017

Powered by WP Bannerize

Ariel Fagundes

Por: Ariel Fagundes

Fotos: Reprodução

27/07/2017

Admirando a poesia dos ruídos, a banda carioca Gorduratrans tem chamado bastante atenção desde que saiu o seu álbum de estreia, Repertório Infindável de Dolorosas Piadas (2015).

Faz cerca de um mês que a dupla formada por Felipe Aguiar (guitarra e voz) e Luiz Felipe Marinho (bateria e voz) lançou o seu segundo disco, Paroxismos, e, agora, eles revelam que o álbum está prestes a ganhar uma versão visual. Lançamos com exclusividade abaixo o teaser desse material que está previsto para sair até o fim de 2017, assista:

*

Luiz Felipe Marinho explica que a ideia de produzir um desdobramento visual de Paroxismos partiu do cineasta e amigo da banda Gabriel Papaléo. “Nós estudávamos na mesma universidade e ele me procurou para contar o esboço da ideia, deu detalhes e possibilidades de execução. Quando começamos a conversar, ele já havia pensado em algumas ideias de roteiro, de estética, e dessa maneira a coisa foi tomando forma”, conta.

Ainda em processo de produção, a versão visual do disco está nascendo a partir dos laços de confiança e amizade que alimentam a existência de todo o cenário alternativo e independente. “O Gabriel executou as ideias que teve por conta própria a partir do momento em que fomos enviando para ele demos e gravações de ensaios que fazíamos com o celular das músicas que hoje fazem parte do Paroxismos“, conta Luiz: “Ele teve uma sensibilidade absurda com nosso trabalho e todos os rascunhos e vídeos que nos mandou até agora foram sempre muito certeiros. O trabalho final será produzido e lançado via Epiderme Filmes, uma produtora lançada por ele em conjunto com um grupo de pessoas amigas”.

Se comparado a Repertório Infindável de Dolorosas Piadas (lançado pelo extinto Bichano Records), Paroxismos (que saiu pelo Balaclava Records) soa como um disco produzido com mais tempo e investimento, como se a rusticidade fosse menos prioritária do que a busca por um som que preenchesse bem os fones e alto-falantes. “Essa nova sonoridade, mais densa, veio de forma muito natural com as experiências e as novas referências que absorvemos com o ciclo do nosso primeiro disco”, comenta Felipe Aguiar.

O segundo álbum veio após um período em que a banda parou de fazer de shows, mergulhou na sua criação e apontou suas antenas para fora em busca de novos caminhos. É fruto disso e da convivência com o músico Cássio Figueiredo [parceiro na faixa “Fotocópia”] a ênfase no noise experimental que se ouve em Paroxismos. “Demos tempo ao nosso processo criativo para que isso tudo fosse sendo incorporado ao nosso trabalho aos poucos e naturalmente. Ao mesmo tempo, já tínhamos em mente de forma consolidada as bases do projeto, e também mantemos as nossas referências principais. Isso nos ajudou para que, mesmo com uma mudança de sonoridade, não perdêssemos nossa identidade”, diz Felipe.

Nesse momento, o Gorduratrans dedica-se a uma extensa agenda de shows. No dia 29/7, eles tocam no Rio de Janeiro; 12/8, em Juiz de Fora (MG); 20/8, em Nova Iguaçu (); 24/8, novamente no Rio; 9/9, em Santa Rita do Sapucaí; 16/9, em Campo Grande (MS); e novas datas devem ser marcadas em breve. Mais informações sobre a agenda da dupla aqui.

Tags:, , , , ,

27/07/2017

Jornalismo, música, astrologia, fotografia, vinil, tarot, direitos humanos, mitologias, fogueiras e a arte do bem-viver me interessam.
Ariel Fagundes

Ariel Fagundes