Exclusivo | Jacintho se parte em dois no seu 1º clipe: “Cê Já Pode Morrer”

06/11/2017

Powered by WP Bannerize

Ariel Fagundes

Por: Ariel Fagundes

Fotos: Reprodução

06/11/2017

É pela verdade passional de suas composições que o músico paulista Jacintho seduz o público. Com letras que agarram o ouvinte pela goela e sonoridades que passeiam pelas raízes das músicas brasileira, latina e jamaicana, seu EP de estreia, Sobre Flores Na Cama (2017), chegou em abril como uma cartão de visitas do artista.

Hoje, a NOIZE lança com exclusividade o primeiro clipe dele, “Cê Já Pode Morrer”, faixa inédita que marca a sua parceria com Felipe Cordeiro, que co-produziu a música e foi responsável pelas suas guitarras. Assista:

*

– A letra dessa canção nasceu como resposta a música “Sobre flores na cama”, que eu já havia lançado no EP. Foi tudo muito espontâneo. Porque, na realidade, eu estava ouvindo “Sobre flores…” e pensei que poderia respondê-la sendo o outro personagem dessa história, talvez negando aquela narrativa, chegando a criar uma outra perspectiva. Na musicalidade, minha referência principal veio do ska, da ideia de tentar criar uma levada que flertasse um pouco até mesmo com frevo – explica o próprio Jacintho.

O vídeo apresenta cores quentes e uma atmosfera que reproduz a angústia da canção, até porque o protagonista de ambos pólos da relação cujo término é o foco da letra é o próprio Jacintho. “O conceito foi totalmente concebido pelo diretor, o Victor Guerrero”, conta o músico. “Ele desenvolveu o roteiro e pensou na direção artística também”.

– Uma das propostas que ele tinha era justamente aplicar ao conceito uma ideia mais subjetiva, o que acabou se refletindo na montagem dos personagens, de ambos estarem em um único ator. De cara ele me disse que gostaria que eu atuasse e aconteceu. O mais interessante de tudo é que ele havia achado muito interessante a performance do que sou em palco e, a partir dai, desconstruiu esse personagem Jacintho e o transformou em dois personagens com caracteristas bem semelhantes às do palco e às narrativas das letras.

Apesar de muitas das suas composições trazerem a figura de um eu-lírico sem gênero definido, Jacintho explica que essa questão não passou por sua cabeça ao atuar no clipe. “Quando Victor me mostrou o roteiro, ele já tinha essa ideia bem definida e queria que eu interpretasse. Mas acredito que a proposta tange mais no criar opostos dentro da minha performance em palco, visando uma narrativa até um tanto surrealista do que abordar a questão de gêneros especificamente”, aponta.

Após o EP, o plano de Jacintho é produzir um disco em 2018, que ainda não tem número de faixas ou conceito definido, mas tudo isso já pode ser pressentido pelo que é apresentado nos seus shows. “Apesar do projeto do disco ainda ser muito embrionário, a ideia dessa aproximação do Felipe Cordeiro com a minha música foi compartilhar referências e começar a entender esse processo de produção”, diz.

Quem estiver em São Paulo na próxima quarta (8/11) poderá ver em ação Jacintho. O show acontece no Teatro Viradalata (Rua Apinajés, 1387, Perdizes), às 21h, o ingressos estão à venda por R$25 aqui.

Tags:, , , ,

06/11/2017

Jornalismo, música, astrologia, fotografia, vinil, tarot, direitos humanos, mitologias, fogueiras e a arte do bem-viver me interessam.
Ariel Fagundes

Ariel Fagundes