Exclusivo | O rap do Cachola encontra Pedro Dom e Orquestra Livre em “Sentimentos Hightech”

26/07/2017

Powered by WP Bannerize

Ariel Fagundes

Por: Ariel Fagundes

Fotos: Reprodução

26/07/2017

Estreitando os laços que existem entre os universos do rap, do jazz, do erudito contemporâneo, da música popular brasileira e jamaicana, Cachola e Pedro Dom e Orquestra Livre lançam hoje com exclusividade na NOIZE a versão ao vivo de “Sentimentos Hightech”. Assista abaixo ao novo vídeo do projeto Loop Sessions:

*

“Sentimentos Hightech” é uma composição de Cachola, figura importante do rap de Porto Alegre. No ano passado, essa faixa havia ganhado um clipe oficial, sendo lançada como um single do EP Planeta Terra de Ninguém, que terá seis faixas e está previsto para sair até o final do ano com produção do próprio rapper e masterização e mixagem de Luis Café (famoso por seu trabalho com artistas como MC Marechal e Mc Eltin). “Das músicas que estão no EP, essa é uma das mais sérias, que tem uma mensagem mais efetiva”, comenta o rapper: “É uma parada que eu tava a fim de falar há bastante tempo, a questão do bom uso e o mau uso da tecnologia”.

Na união ao vivo com Pedro Dom e Orquestra Livre, “Sentimentos Hightech” ganhou uma tonalidade bem diferente da versão lançada anteriormente. “O Pedro Dom tem um toque mais jazz no som, às vezes ele traz uma brasilidade também, isso aí foi uma coisa que me atraiu nele”, diz Cachola. Já Pedro Dom elenca Cachola, ao lado de Zudzilla, como “os dois maiores fenômenos do rap do Rio Grande do Sul”.

– Eu acho que o Cachola tem um estilo bem latino-americano. Ele tem um rap underground bem forte, que vem também dos americanos, mas esse lance de ele misturar o ragga lembra aquela zona da América Central. É um cara que marca bem o território e coloca o Rio Grande do Sul e Porto Alegre no mapa nacional – aponta Pedro, que também foi parceiro de Cachola na faixa “Notório”.

Após cerca de dez anos à frente do projeto que começou se chamando O Clã, depois virou Orquestra Celestial do Livre Arbítrio e, hoje, se chama apenas Orquestra Livre, o pianista está encerrando uma fase. Em agosto, o músico irá se mudar para Los Angeles, onde ganhou bolsa de uma universidade para estudar clarinete.

Apesar de ter gravado há poucas semanas uma música inédita que deve sair ainda em 2017 com participação dos rappers Matéria Prima, do grupo de Belo Horizonte Zimum, e Zilla Sonoro, Pedro Dom e Orquestra Livre já estão se despedindo dos palcos, pelo menos por enquanto. No próximo dia 28, há um show marcado em Porto Alegre que pode ser a última chance de ver o grupo ao vivo (mais informações, aqui).

Tags:, , , , , , ,

26/07/2017

Jornalismo, música, astrologia, fotografia, vinil, tarot, direitos humanos, mitologias, fogueiras e a arte do bem-viver me interessam.
Ariel Fagundes

Ariel Fagundes