Harvard traz o rap pro seu acervo e isso é muito mais importante do que parece

16/02/2017

Powered by WP Bannerize

Ariel Fagundes

Por: Ariel Fagundes

Fotos: Reprodução

16/02/2017

Era 2012 quando o produtor 9th Wonder foi convidado a trabalhar com a prestigiada Universidade de Harvard para incluir discos de hip hop no seu acervo oficial. Desde então, ele vem trabalhando no The HipHop Archive & Research Institute, que existe desde 2002 como parte do Du Bois Institute, para elaborar uma lista de álbuns de rap que representam a cultura afro-estadunidense contemporânea.

Há pouco, eles divulgaram a lista de álbuns que foram escolhidos até agora: The Low End Theory (1991), do A Tribe Called Quest, To Pimp a Butterfly (2015), do Kendrick Lamar, The Miseducation of Lauryn Hill (1998), da Lauryn Hill, e Illmatic (1994), do Nas. Esses são os quatro primeiros de 200 discos que entrarão no seleto acervo da universidade.

*

Veja abaixo uma apresentação do The Hiphop Archive & Research Institute:

A um primeiro olhar, pode não significar muito, mas esse projeto é muito mais importante do que parece, pois a desigualdade racial é um tema que atinge Harvard há um bom tempo. Criada em 1636, essa que é uma das universidades mais famosas do mundo possui um passado de segregação. Mulheres, por exemplo, só passaram a ser aceitas no fim do século XIX, sendo que a primeira turma de mulheres na faculdade de Medicina de Harvard só foi formada em 1945.

Foto de 1968 mostra estudantes cobrando que Harvard aceitasse mais pessoas negras (Reprodução Radcliffe College Archives)

Os negros também não eram aceitos, apenas a partir de 1945 a universidade começou a se abrir para essa possibilidade. Hoje, conforme dados da instituição, os estudantes negros somam pouco menos de 14% dos quadros de Harvard. E praticamente nenhum deles veio das periferias dos Estados Unidos, todos pertencem a famílias com alto poder aquisitivo segundo o The Journal Of Blacks In Higher Education. Para completar, a universidade tem pouquíssimos professores negros, como conta o NewsOne.

Imagem do projeto I Too Am Harvard (Reprodução)

Foi por essas e outras que alguns estudantes da instituição criaram em 2014 a campanha I Too Am Harvard (“eu também sou Harvard”, em inglês), que tem um Tumblr e uma página no Facebook. E é por tudo isso que o projeto de incluir álbuns representativos da cultura afro-americana no acervo oficial de Harvard é algo tão importante para a universidade. Quem sabe a arte seja um caminho para diminuir a desigualdade racial dentro da instituição.

Aproveite para ouvir abaixo os álbuns que já foram escolhidos pelo The HipHop Archive & Research Institute:

Tags:, , , , , , , , , , , , ,

16/02/2017

Editor
Ariel Fagundes

Ariel Fagundes