Ouça playlist de Laerte e Angeli com os sons que inspiraram suas HQ nos anos 80

04/07/2017

Powered by WP Bannerize

Ariel Fagundes

Por: Ariel Fagundes

Fotos: Reprodução

04/07/2017

Em 1983, uma revista chamada Chiclete Com Banana encheu de sexo, drogas, música e humor politicamente incorreto as bancas de jornal brasileiras. Editada pela Circo Editorial, a revista tornou nacionalmente conhecidos os trabalhos de Angeli, Laerte e Glauco, que se tornaram uma espécie de santíssima trindade profana dos quadrinhos no Brasil.

Abordando os temas mais marginais possíveis, a Chiclete Com Banana alcançou uma tiragem inacreditável, com edições que vendiam 30 mil exemplares. A edição especial que trouxe a morte de uma das personagens mais populares, a Rê Bordosa (de Angeli), teve 100 mil exemplares impressos.

Edição especial da Chiclete Com Banana reunindo Laerte, Angeli e Glauco, Los Tres Amigos (Reprodução)

Lamentavelmente, Glauco e seu filho Raoni foram assassinados em 2010. Agora, Laerte e Angeli se uniram para escolher 31 músicas que foram a trilha sonora daquela época em que a Ditadura Militar estava no fim e os quadrinhos adultos eram um sucesso editorial no Brasil.

A lista faz parte de uma parceria entre o Spotify e o Sesc São Paulo, que criou uma série de playlsts temáticas com curadorias pautadas pelos seus projetos. No caso, a playlist de Laerte e Angeli refere-se ao Projeto Baiacu, uma grande residência artística traz ao Sesc Ipiranga bate-papos e oficinas (de 11 a 29/7), uma exposição (de 11/7 a 3/9) e prevê a publicação de uma edição da Revista Baiacu reunindo vários desenhistas. Abrindo o projeto, Laerte, Angeli, Rafael Coutinho e André Conti realizam uma Aula-Magna no dia 11 de julho, às 20h, no teatro do Sesc Ipiranga, que será transmitida ao vivo pela página do Sesc São Paulo no Facebook.

Abaixo, você pode ouvir o que Laerte e Angeli ouviam quando criaram personagens clássicos como Rê Bordosa, os Piratas do Tietê, Bob Guspe, Wood & Stock, Overman e Deus:

Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , ,

04/07/2017

Entre o bemol e o sustenido.
Ariel Fagundes

Ariel Fagundes