Racionais, Caetano, Gil, Sabotage e Sepultura em memória aos 25 anos do Massacre do Carandiru

02/10/2017

Powered by WP Bannerize

Ariel Fagundes

Por: Ariel Fagundes

Fotos: Reprodução

02/10/2017

No dia 2 de outubro de 1992, há exatos 25 anos, uma ação da Polícia Militar de São Paulo foi tão brutal que ganhou o nome de Massacre do Carandiru. Com o objetivo de conter uma rebelião na Casa de Detenção de São Paulo (apelidada de Carandiru), dezenas de policiais invadiram o local tornando-se responsáveis pelas mortes de 111 detentos.

A brutalidade dos do episódio histórico deixou uma cicatriz aberta que somente a arte foi capaz de ajudar a curar.

*

Confira abaixo cinco exemplos de músicas feitas em homenagem à tragédia:

Caetano Veloso e Gilberto Gil- “Haiti”

Lançada no álbum Tropicália 2 (1993), um ano após o massacre, a faixa traz os seguintes versos: “E quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo / Diante da chacina / 111 presos indefesos, mas presos são quase todos pretos / Ou quase pretos, ou quase brancos quase pretos de tão pobres / E pobres são como podres e todos sabem como se tratam os pretos”.

Racionais MC´s – “Diário De Um Detento”

Um dos grandes sucessos de Sobrevivendo No Inferno (1997), essa faixa traz uma letra baseada nos diários de um ex-detento chamado Jocenir. “Era a brecha que o Sistema queria, avise o IML, chegou o grande dia” é apenas um dos versos pesados que se espalham pelos oito minutos de duração da música. Seu clipe ganhou os prêmios de “Melhor Vídeo de Rap” e “Clipe do Ano” no Video Music Brasil 1998, da MTV, e ajudou a ampliar o alcance do som do Racionais nos anos seguintes.

Sepultura – “Manifest”

Cerca de um ano após o incidente, saiu o quinto disco de estúdio do Sepultura, Chaos A.D. (1993), com essa faixa violentíssima. Ao longo de toda letra, Max Cavalera descreve a ação policial em detalhes:

Sabotage – “O Retorno”

Essa é uma faixa póstuma do rapper lançada na coletânea Uma Luz Que nunca Irá Se Apagar (2002). Nela, Sabotage canta: “Outra versão, Pavilhão 9, eu vou citar pra vocês / Que os mandantes da chacina ficaram no caso / Sendo tirados de otários, pra todos, acasalados / E nunca são julgados atrás de quem se esconde / Não vão pagar pelo massacre dos 111 / Pois é assim que eles enganam o povo a todo tempo / Pela contagem dos presos se foram embora 300 detentos”.

Facção Central – “Roleta Macabra”

Uma das faixas de um dos discos mais sangrentos do rap nacional, o CD duplo O Espetáculo do Circo dos Horrores (2006). Aqui, os versos são pura agressividade: “Pra Anistia Internacional, a polícia brasileira / É a que mais executa no planeta / O covarde que fuzila 111 no Carandirú / À paisana, anda com a funcional no cu”.

Tags:, , , , , , , ,

02/10/2017

Jornalismo, música, astrologia, fotografia, vinil, tarot, direitos humanos, mitologias, fogueiras e a arte do bem-viver me interessam.
Ariel Fagundes

Ariel Fagundes