Clube da Encruza é destaque do Moers Festival

31/05/2019

Powered by WP Bannerize

Bruno Barros

Por: Bruno Barros

Fotos: José de Holanda

31/05/2019

Será realizado entre os dias 7 e 10 de junho na cidade de Moers, na Alemanha, o mœrs festival. Um dos festivais mais antigos e prestigiados da Europa, o mœrs apresenta uma leitura atual e original da música brasileira em sua 48ª edição. Tom Zé, Rodrigo Brandão, Mariá Portugal, O Bode e Clube da Encruza compõe a programação do festival que tem o Brasil como um dos centros do recorte curatorial.

A escolha das atrações se deu a partir de uma circulação do diretor artístico do festival, Tim Isfort, em São Paulo. Em visita ao músico, cantor e compositor Tom Zé, Tim alcançou a façanha de contar com um dos cofundadores do Tropicalismo em seu festival. “Na verdade, aos 82 anos, ele não queria mais viajar para a Europa. Mas nós conseguimos”, contou Isfort em entrevista para o portal alemão RP On Line.

*

Clube da Encruza (Foto: José de Holanda)


Mariá Portugal, que no ano passado se apresentou com o Quartabê no mœrs, fará parte da orquestra global formada pelo festival, além de performance solo. Descoberto durante a incursão de Isfort por São Paulo, Rodrigo Brandão irá compor o grupo ao lado do japonês Toshimaru Nakamura, do alemão Günter Baby Sommer e o americano Marshall Allen, diretor da Sun Ra Arkestra desde 1995. Brandão também apresenta show ao lado de Guilherme Granado e Marcos Gerez. Além de acompanhar Brandão, a dupla realiza o show do projeto O Bode no mœrs festival.  

Protagonistas do cenário independente brasileiro, os artistas identificados como atual vanguarda paulistana celebram uma parceria de mais de dez anos. Romulo Fróes, Thiago França, Marcelo Cabral, Juçara Marçal, Kiko Dinucci e Rodrigo Campos, somam perto de 25 discos lançados nesse período – entre trabalhos “solo” e de projetos expressivos como Metá Metá e Passo Torto. Por meio da produção e composição, o grupo foi responsável pela atualização da obra de artistas como Elza Soares, Vicente Barreto e Jards Macalé.

Após anos de dedicação à música autoral brasileira, a unidade do coletivo é celebrada e ganha destaque com o convite para apresentação no mœrs festival. Além de reunir no mesmo palco os membros de Metá Metá e Passo Torto, o mœrs festival desmembra a presença do Clube da Encruza. Para a ocasião e por via dos trabalhos realizados até aqui, se juntam ao grupo Gui Amabis, Thomas Harres e Thomas Rohrer.

A programação inclui combinações inéditas do grupo. Ao todo, serão realizadas oito apresentações nos palcos do mœrs que receberão os shows 9 Sambas do Absurdo, Motor, Miopia, Passo Encarnado, Barulho 24 Horas, Thiago França (solo), Sambanzo, Abismu Curtu e 24 Horas. Confira a programação completa do festival aqui.

Clube da Encruza (Foto: José de Holanda)

“A gente está muito feliz, pois é uma espécie de reconhecimento, sabe? No sentido mais formal. A gente trabalha pra caramba e é massa quando alguém de fora saca todo esse movimento”, falou o cantor e compositor Romulo Fróes à NOIZE. “Claro que quando a gente voltar o desejo é repetir esse show por aqui também”, comentou sobre a possibilidade de uma grande apresentação do grupo no Brasil.

O mœrs festival é dedicado à música internacional e acontece anualmente em Moers, na região do Baixo Reno. Fundado em 1972, o festival une todas as formas de música que não são “mainstream” – improvisação, new jazz, world, avantgard, música contemporânea, música minimal, arte sonora, drone, electro. Considerado um nicho para tudo que não se consegue encontrar nos meios de comunicação de massa, o palco celebra trabalhos inéditos por lá. Alguns nomes que passaram pelo mœrs são Herbie Hancock, Abdullah Ibrahim, David Murray, Sun Ram,  Arto Lindsay, Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz, SpokFrevo Orquestra.

31/05/2019

Em formação, Bruno pesquisa produção de conteúdo e cultural. Colabora pontualmente com a NOIZE (s.brunobarros@gmail.com)
Bruno Barros

Bruno Barros